sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

TRÊS COISAS

Não consigo entender
O tempo
A morte
Teu olhar

O tempo é muito comprido
A morte não tem sentido
Teu olhar me põe perdido

Não consigo medir
O tempo
A morte
Teu olhar

O tempo, quando é que cessa?
A morte, quando começa?
Teu olhar, quando se expressa?

Muito medo tenho
Do tempo
Da morte
De teu olhar

O tempo levanta o muro.
A morte será o escuro?
Em teu olhar me procuro.

Paulo Mendes Campos

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

4 anos (ou seriam 4 meses, 4 dias...?)


Quem, assim que entrou na faculdade, não teve esse pensamento: "caraca, 4 anos.. vai demorar demais pra passar!!! Eu não me imagino daqui a quatro anos..."
Entretanto, posso dizer que existem anos que não obedecem a ordem natural das coisas.. eles parecem dias, de tão rápidos e súbitos que nos chegam.
Mais um capítulo é terminado. Mais uma etapa. Okay okay, pra mim ainda existe uma prorrogação, pois meu título de bacharel ainda não é exatamente 'meu', mas isso é só uma questão de tempo. Pouco tempo, se eu tiver muita sorte.

Mas a experiência acadêmica, as (escassas) aulas, os lanches, as andanças pelos caminhos enlameados da Ufac, as conversas pelo corredor (atrapalhando as turmas que estavam estudando), as aulas (detestáveis) de sábado, a dor de barriga ao apresentar um seminário, a eterna esperança de entrar algum calouro bonito a cada vestibular (pura ilusão), os cheiros de maconha pelos shows no DCE, os vinhos quentes e baratos que bebíamos nos sarais, as intermináveis filas na Xerox, com direito ao atendimento v.i.p. do Garibaldi, os dinheiros que deixamos pra trás com todas essas xeroxs, a biblioteca que nunca consultamos todos esses anos, esses intensos últimos meses preparatórios pra nossa formatura, e finalmente, a nossa (inesquecível) festa... Tudo isso, meus amigos, acabou. Ficou pra trás. Podem vir outros cursos, outras faculdades, outros colegas... mas nada irá se comparar ao que nós vivemos.


Relembro de tudo com saudade, até dos sufocos. Uma vontade de ter aproveitado, mais ainda, todos os momentos que tive a oportunidade de dividir com vocês, meu colegas, meus amigos, meus companheiros.

Não, nem tudo foi um mar-de-rosas.. houveram intrigas, brigas, desentendimentos. Houveram grupos, divisões, até um pouco de falsidade rolou. Mas no fim, no fim a gente vê que tudo não passou de um processo, necessário pra descobrir o que cada um realmente era. Me peguei desejando que certas pessoas fossem mais íntimas, que elas correspondessem o carinho que descobri tardiamente, ou pelo menos que sentissem o quanto elas se tornaram especiais. Descobri que todos vão fazer falta. Até os chatos tagarelas, os fofoqueiros, os que insistiam em fazer aquela última pergunta ao professor, justamente às 10:05 da noite..

Então, é com uma alegria enooooorme mesclada com um tantão de saudade que eu me despeço da Turma de Jornalismo 2004 da Universidade Federal do Acre. Nós já somos vencedores, galeraaaa!

Alguém aceita um gole??? ou quem sabe dois?

Pra descontrair.. hoje é sexta-feira! \o/

Huahuhauhauhuahauhuahuahau. A carinha de 'mau' do salvador no final é o melhor!!

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Saudade

Pablo Neruda

Saudade é solidão acompanhada, é quando o amor ainda não foi embora, mas o amado já... Saudade é amar um passado que ainda não passou, é recusar um presente que nos machuca, é não ver o futuro que nos convida...
Saudade é sentir que existe o que não existe mais...
Saudade é o inferno dos que perderam, é a dor dos que ficaram para trás, é o gosto de morte na boca dos que continuam...
Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudade: "aquela que nunca amou."
E esse é o maior dos sofrimentos: não ter por quem sentir saudades, passar pela vida e não viver.
O maior dos sofrimentos é nunca ter sofrido...

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Preciso dizer que te amo

Eu só disse uma vez na vida. E você?
Hoje em dia é tão comum escutar essas três palavrinhas, ditas de forma tão banal, frívola mesmo.
Só quem já sentiu, e declarou com todas as propriedades, sabe do poder e da plenitude desse sentimento. Óbvio que me refiro ao amor romântico. Do tipo que te deixa sem ar.
Amar é algo tão sublime, tão irreal. Onde você não entende como pôde viver tanto tempo longe daquela pessoa. Tanto que antes de amar eu era feliz, mesmo sem ter alguém do meu lado. Mas quem conhece esse sentimento, quando não o tem, de certa forma fica assim, meio manco, meio incompleto.

Amor dói, machuca, maltrata, judia. Às vezes bate uma vontade de não amar e ficar a salvo, num cantinho escuro, bem escondidinha. Mas não amar... que tristeza é! Como viver numa vida em preto&branco, se você já experimentou a gama de cores de um arco-íris psicodélico, onde uma cor era mais viva que a próxima? Como se contentar com a calidez do carinho, se o arrebate da paixão, combinado com amor, consegue te levar ao mais alto dos céus?

Era engraçado. O aperto que dava no coração, ao dizer. Olhando nos olhos dele, escutando de volta. Me sentindo a mais abençaoda das criaturas. Tanta gente fala, como se fosse brincadeira. Tem gente que brinca mesmo de amar. Isso quando não brinca com o amor dos outros. Tanto desperdício. Será que um raio cai duas vezes no mesmo local???

Tudo isso pra dizer que sinto falta de amar.
Principalmente de dizer: eu te amo. :)

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Aparências

Nos tempos do 1º período da faculdade diziam que eu tinha cara de psicopata. Será? ^^

Tem mais no Kibeloco.

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Jéssica, sua cafajeste!

Estávamos no carro dele. Só nós dois. Às duas horas da manhã.
Horário e local propícios para atividades, no mínimo, agradáveis.
Beijo vai, beijo vem. E aquela mão boba tão esperada não chega.
Simplesmente não chega.
Eu tento incentivar. Capricho no beijinho, no carinho no cangote.
E nada.
Depois de mais de um mês de relacionamento. Intimidade adquirida através dos vários vai-e-vêm do casal, que já se conheciam há mais de um ano. Era de se esperar alguma coisa.
Depois de tanta pegação infrutífera, frustada, eu digo:
- Você deve me respeitar MUITO, né, fulano*?!?
E a resposta mais surpreendente que eu poderia escutar em pleno século XXI:
- Não é bem assim, é porque, já pensou se não der certo entre nós? Como vai ficar? Eu quero fazer as coisas do jeito certo.
- Hã?

"Se as coisas não derem certo, meu amigo, cada um vai pro seu lado. E com o bônus de ter na memória momentos mais que inesquecíveis [não que eu esteja dizendo que momentos ao meu lado são inesquecíveis. Geralmente são os homens que dizem isso, kkkkkkkkk]. E pelo que eu saiba, se você estivesse fazendo as coisas do jeito certo a gente não taria usando tantas palavras, e muito menos, tanta roupa nessa conversa. Nós já tamo nisso faz mais de mês, pelo amor do meu bom Deus, me come! [eu sei, forte né? mas eu juro que foi isso que pensei. meninas direitas também pensam essas coisas, apesar de não dizerem, tá?]"

É óóbvioooooooo que eu PENSEI tudo isso. Mas me limitei a responder:
- Ah, então tá. A gente faz do seu jeito, então!

E entrei em casa. Porque ele disse que tava tarde. Porque ele disse que eu tinha que levantar cedo no dia seguinte. Ele me deu um beijo casto de despedida enquanto eu fervia por baixo da minha faixada de conformidade.
E foi assim que eu me senti o maior cafajeste do mundo, tentando agarrar uma menininha de 15 anos, evangélica, e ainda por cima, VIRGEM!

* Detalhe: ele tinha 25 anos. O nome do rapaz em questão será preservado por questão de privacidade..

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Relacionamentos

Arnaldo Jabor

Sempre acho que namoro, casamento, romance, tem começo, meio e fim.
Como tudo na vida. Detesto quando escuto aquela conversa:
- Ah,terminei o namoro...
- Nossa, estavam juntos há tanto tempo.....
- Cinco anos...que pena...acabou....
- é...não deu certo... Claro que deu!

Deu certo durante cinco anos, só que acabou.
E o bom da vida, é que você pode ter vários amores.
Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se somam.
Às vezes voce não consegue nem dar cem por cento de você para você mesmo, como cobrar cem por cento do outro?
E não temos essa coisa completa.
Às vezes ela é fiel, mas é devagar na cama.
Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel.
Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador.
Às vezes ela é muito bonita, mas não é sensível.
Tudo junto, não vamos encontrar. Perceba qual o aspecto mais importante para voce e invista nele.

Pele é um bicho traiçoeiro.
Quando você tem pele com alguém, pode ser o papai com mamãe mais básico que é uma delícia.
E as vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona...
Acho que o beijo é importante...e se o beijo bate...se joga...
se não bate...mais um Martini, por favor...e vá dar uma volta.
Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra. O outro tem o direito de não te querer.
Não brigue, não ligue, não dê pití. Se a pessoa tá com dúvidas, problema dela, cabe a você esperar.... ou não.
Existe gente que precisa da ausência para querer a presença.
O ser humano não é absoluto. Ele titubeia, tem dúvidas e medos, mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela volta.
Nada de drama.
Que graça tem alguém do seu lado sob pressão?
O legal é alguém que está com você, só por você. E vice versa.
Não fique com alguém por pena. Ou por medo da solidão.
Nascemos sós. Morremos sós. Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado.
E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento.
Tem gente que pula de um romance para o outro.
Que medo é este de se ver só, na sua própria companhia?
Gostar dói.
Muitas vezes voce vai sentir raiva, ciúmes, ódio, frustração..... Faz parte.
Você convive com outro ser, um outro mundo, um outro universo.
E nem sempre as coisas são como você gostaria que fosse.... A pior coisa é gente que tem medo de se envolver.
Se alguém vier com este papo, corra, afinal você não é terapeuta.
Se não quer se envolver, namore uma planta. É mais previsível.
Na vida e no amor, não temos garantias.
Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar. Nem todo beijo é para romancear.
E nem todo sexo bom é para descartar... Ou se apaixonar... Ou se culpar... Enfim...quem disse que ser adulto é fácil ?????

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

O Marcos Frota se Fu-Deu!

Não literalmente, calma. Pelo menos eu acho que não.

Mas a pessoa mais queimada no Estado do Acre desse momento se chama Marcos Frota, tudo por causa de declarações infelizes do próprio e supostos gestos obcenos (supostos porque eu não tive a felicidade de ver as gravações da gafe no programa da Jocely). Mas a cereja em cima do bolo é que o rapaz cometeu o equívoco de chamar nossa capital de BOSTA. Sim, a pessoa vem com o seu cirquinho, faturar em cima de nós, seres insignificantes (em sua opinião) por não fazermos partes do eixo Rio-São Paulo, e ainda tem a audácia de chamar nossa cidade de 'bosta'.

(montagem by Altino Machado)

Para mais detalhes, ler o texto de protesto no blog da Jocely Abreu.

Andei lendo nos jornais e blogs afora que a arrogância do ator/PALHAÇO era notória. Eu não tinha conhecimento. Até simpatizava com aqueles gigantes olhos azuis. O homem que foi capaz de suportar a Carolina "Sandálias da Humildade" Dickman. Mas pelo visto, são farinha do mesmo saco.

O que me surpreende é a burrice das atitudes do circense. Afinal de contas, primordialmente, ele veio aqui a negócios. Divulgar o Grande Circo Popular do Brasil. Que, aliás, de 'popular' não tem nada. 30 reais a entrada inteira. De onde eu venho, circo é programa família, de domingo. Já imaginou uma família de 5 pessoas, vamos colocar 3 adultos e duas crianças: 120 reais! Olha o rombo no bolso da família acreana!!

Meu palpite é que depois dessa pequena escorregada o circo não vai fazer muito sucesso por essas bandas (imagina lucrar, então!). Eu mesma prefiro pisar no Circo D'Italia, ali na Estação, do que prestigiar um atorzinho meia-boca que não sabe respeitar o público que o sustenta.

Se Tião Viana eu fosse, estaria morrendo de vergonha por ter meu nome associado ao palhaço, já que os dois planejam instalar um núcleo da Universidade Livre de Circo no Brasil (Unicirco) aqui no Estado. Pelo menos o nome do senador não sai da boca do ator, nas entrevistas. Aliás já houve até pedido de desculpas pelo "mal-entendido", gravado pela TV Gazeta. Acredita quem quer. E paga a entrada do circo, quem puder.

Por isso minha gente, boicote ao Circo do Marcos Frota!!! Ficadica. ;)

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

II Semana Acadêmica de Comunicação da Ufac

Só porque a nossa turma se despede da querida Ufac, essas coisinhas começam a borbulhar no ambiente acadêmico. Fiquei muito contente com a iniciativa, e orgulhosa também, por ver o trabalho competente que os nossos queridos bichos andam fazendo. Na minha época não tinha dessas coisas!

Esse vídeo foi produzido, editado, cortado, feito, enfim.. nasceu das mãos do meu amigo multi-talentoso Igor Martins.




Abaixo a programação da semana. Participem. As inscrições começam hoje, dia 9, terminam amanhã e podem ser feitas a partir das 15h na Coordenação do Curso de Jornalismo da Ufac, no bloco Edmundo Pinto. As vagas para as oficinas são limitadas. Corrããoooo! =P

1º Dia - 13 de outubro de 2008.
- Segunda

Local: Auditório da Biblioteca da Floresta Marina Silva
19h – Cerimônia de Abertura
20h – Palestra: Jornalismo, literatura e tecnologia: possibilidades ou encrencas?
Parcerias ou impossibilidades? Palestrante: Prof. Msc. Luiz Gonzaga Capaverde(FGV e Faculdades 7 de Setembro - Fortaleza-CE).
22h – Encerramento

2º Dia – 14 de outubro de 2008
-Terça

Local: Auditório da Biblioteca da Floresta Marina Silva
19h – Mesa-Redonda – Comunicação: Possibilidades e DesafiosMediador: Prof. Maurício Homem de Bittencourt (Ufac/CFCH)Participantes: Marcos Vinícius (Historiador e Presidente da Fund. Garibaldi Brasil)Francisco Dandão (Iesacre/Uninorte/Ufac) e Pascoal Gemaque (Iesacre/Uninorte e Redador da Cia. de Selva).

3º Dia – 15 de outubro de 2008 – OFICINAS
- Quarta

LOCAL: Walter Felix II - Prédio de Jornalismo - Ufac
19h - Oficina 1 – Desafios da Produção para TV - 20 vagas - Ministrante: Surama Chaul
19h - Oficina 2 – Diagramação - 20 vagas - Ministrante: Maurício de Lara Galvão
19h - Oficina 3 – Jornalismo e Direito - 20 vagas - Ministrante: João Veras
19h - Oficina 4 – Fotojornalismo com Enfoque Regional - 20 vagas - Ministrante: Diego Gurgel
19h - Oficina 5 – Comunicação Visual - 10 vagas - Ministrante: Gilberto Ávila
19h - Oficina 6 – Chargista é Jornalista – 10 vagas - Ministrante: Francisco Braga

4º Dia – 16 de outubro de 2008 – OFICINAS
– Quinta

LOCAL: Walter Felix II - Prédio de Jornalismo - Ufac
19h - Oficina 7 – Recursos Semióticos na Construção de Significados - 20 vagas - Ministrante: Francisco Osvanilson Dourado Veloso
19h - Oficina 8 – Diagramação - 20 vagas - Ministrante: Maurício de Lara Galvão
19h - Oficina 9 – Jornalismo e Direito - 20 vagas - Ministrante: João Veras
19h - Oficina 10 – Oficina de Voz - 20 vagas - Ministrante: Gisele Moraes
19h - Oficina 11 – Comunicação Visual - 10 vagas - Ministrante: Gilberto Ávila
19h - Oficina 12 – Desafios na Produção para Rádio - 20 vagas - Ministrante: Alexandre Nunes

5º Dia - 17 de outubro de 2008.
- Sexta

Local: Auditório da Biblioteca da Floresta Marina Silva
19h30min – Palestra: Convergência de Mídias Digitais - Prof. Esp. Gelson Antônio Barbosa (Fadep - Pato Branco-PR)

22h – Encerramento


http://seacomufac.blogspot.com

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Mulher de Capricórnio

Eu sei, eu sei. Coisa feia copiar as coisas dos outros. Só porque eu li um certo bloco de notas, me inspirei e quis fazer igual. Ué, não dizem que plágio é a melhor forma de homenagem?

A capricorniana é capricornial
Como a cabra de João Cabral.
Eu amo a mulher de capricórnio
Porque ela nunca lhe põe os próprios.
A caprina é tão ciumenta
Que até os ciúmes ela inventa.
Mulher fiel está aí: é cabra
Só que muito abracadabra.
Suas flores: a papoula e o cânhamo
De onde vêm o ópio e a maconha
Ela é uma curtição medonha
Pôr isto nos capricorniamos
.

Vinícius de Morais

Não é por nada não, mas o de capricórnio é bem sem-gracinha. Deu até vontade de ser de outro signo.

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

The end

Porque será que eu não escuto meus próprios conselhos?
Nãao importa. O que está feito, não tem volta.
Aqui jaz um coração que um dia batia no meu peito.
Quem sabe, talvez seja mais fácil andar por aí sem esse peso do lado esquerdo.

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Vai uma boquinha?

Pensamento bom DEMAIS pra ser desperdiçado:


"As duas melhores coisas da vida se resumem em apenas uma palavra: comer."
Do filósofo sábio B. Henrique.


quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Quem escutar?

Quase sempre é muito fácil não escutar a voz do diabinho do ombro direito. Fácil mesmo.
Mas de vez em quando um sonho, uma música, uma frase consegue fazer com que ele acorde bem disposto, poderoso mesmo. Com uma voz tão alta, clara e cheia de argumentos que você se pergunta o porquê de não dar ouvidos a ele.
-É a coisa certa a se fazer! - responde o anjinho, que fica placidamente escorado no ombro esquerdo.
Aah, sim.. a coisa certa. Coisa certa. Mas.. certa pra quem mesmo? Pra mim? Pra sociedade? Pros outros??
O que parece certo pra você nem sempre implica no que é certo pro seu vizinho, parceiro, pai, mãe, cachorro, amiga. Quem temos que agradar?
- Só você mesma, ora bolas. Afinal, a vida é sua ou deles? - Sussurra o diabinho, vendo que conseguiu balançar o ouvinte.

Good point.

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Logo agora?

E as estrelas voltaram a me perseguir.
Eu, que imaginava seu brilho apagado há muito, não esperava que brilhassem tão forte.
Tão próximas. Tão reais. E ao mesmo tempo, tão longe. E intocáveis.. ainda intocáveis.
O brilho delas vieram só pra me machucar. Lembrar da falta que elas faziam.
Como faço pra apagar, outra vez, essas estrelas que um dia tanto brilharam em meus olhos?

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Desculpas

Eu sei que sumi. Não por esquecer disso aqui. Apenas me faltam palavras.
Viver ocupa tempo demais. E estou num momento tão bom, tão tranquilo.. que talvez eu nem me sinta eu mesma. Não o suficiente para vir aqui contar o que acontece.
Saudade grande de escrever. Mas as palavras simplesmente, não vêm.

Não sei quando volto.
Não sei nem mesmo se estou indo.
Só vim para não pensarem que fui abduzida. ;P

"Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe." (Oscar Wilde)

segunda-feira, 7 de julho de 2008

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Voando

É impressão minha ou essa mudança no nosso fuso horário tá fazendo o tempo passar mais depressa?

Pra quem é de fora e não sabe do que eu to falando, se atualiza mané!

terça-feira, 24 de junho de 2008

T&J

Quem diria que o cupido faria plantão até em biblioteca.. Pois naquela sexta ele fez.
O menino tinha passado lá por acaso. A menina estava lá, com as amigas, para o I Encontro das Mulheres Jornalistas. Coincidentemente, ele também era jornalista.
Eles se cruzaram no saguão da Biblioteca Marina Silva. Ele a viu, ela não.
Foi naquele momento em que agiu. Ele atirou sua flecha sem dó. O menino se encantou. Sinos tocaram. Palavras dele, vejam bem.
Para ela o momento passou despercebido.
Mas não por muito tempo o menino permaneceria desconhecido.
Ele a procurou. Localizou. Mas ela era comprometida. Bem, quase isso.
Não conversaram de pronto. "Estou pensando se vou adicioná-lo", ela disse.
Ele descobriu e o orgulho falou mais alto. "Com ela não falo mais", ele pensou.
E o impasse se instalou.
O outro saiu da jogada. Ou melhor, ela o expulsou de campo. E assim os dias passaram.
"Que tipo de pessoa te adiciona no msn e não vem falar?" era a pergunta que martelava na cabeça da menina. "Ora, quem ele pensa que é?"E com isso a importuná-la, ela foi lá, saber qual era a dele.
E descobriu que a dele era muito melhor do que esperava. Tãão simpático, foi a primeira impressão.
E descobriu também que ele tinha pressa. Em conhecê-la. "Vamos nos encontrar? Tomar um sorvete?", foi a desculpa. Na quarta (26/03), combinaram.
Ela sabia qual eram as intenções. E não sabia bem se desgostava delas.
"Só se conhecer, viu?! E nada mais.", foi o aviso que ela deu.
Alguém duvida do desfecho?
Ele falou a noite toda. E ela escutou tudo, atenta, surpresa por estar gostando tanto da companhia dele. Supresa por um menino tão mais velho estivesse realmente achando ela interessante. Ele era mais velho. Esqueci de dizer esse detalhe? Ela, sempre tão acostumada com os mais jovens e imaturos, não sabia bem como se comportar.

Foi no centro, bem no centro, do chapéu de palha do parque que ele a beijou. SIM, porque ele a beijou e não o contrário. Abusado. Pediu antes. Ela pensou: só pode estar brincando! Respondeu que não. Ele beijou-a mesmo assim.
E assim começou a história dos dois..

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Estátua

Inerte. É assim que estou.
Quem nunca sentiu que tinha tanta coisa pra fazer e acabou fazendo nada, no final.
Logo eu, a especialista em fuga. O que mais poderia se esperar de mim..
Uma hora a cobrança chega. O que fazer quando chegar?
Passando pelos dias como uma sonâmbula. Vendo tudo por uma ótica idiota e covarde.
Queria um dia com 30 horas. Me dá?
Queria uma cabeça menos confusa. Me dá?
Queria outra vida. Me dá?
Tá, eu sei que você não é Deus. E mesmo Deus não me dá essas coisas, porque você daria?
Então quando tudo parece tão infeliz, tão sem solução, tão desesperador, antes escolher a inércia que fazer algo que não tem volta. Concorda?

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Ressaca

Por isso que falam, quando a pessoa fica se achando demais, nem sente a porrada chegando.
Desde que eu ingressei na vida boêmia não havia experimentado a deliciosa sensação de uma ressaca. Eu achava que havia nascido com a maior dádiva de todas. Não importava a quantidade de álcool ingerido ou da mistura que eu fazia.. no dia seguinte, acordava serelepe e saltiltante como uma gazela pueril.

Mas minha invencibilidade foi quebrada nesse final de semana. Senhor amado, o que foi aquilo? Eu juro que parecia que minha cabeça ia estourar e que meu estômago havia feito algum pacto satânico contra minha pessoa.
E olha que nem foi tanto álcool assim. Já bebi muito mais. O problema: foi tudo rápido demais. Uma ice, um singelo copo de vodkapura e a cerveja.. aiai, a cerveja.. minha desconhecida Cintra, da qual nunca havia ouvido falar, embalou minha noite que antecedeu o inferno.

É, acho que a primeira ressaca ninguém esquece.

sexta-feira, 13 de junho de 2008

Despesa

Oh my god! Descobri mais uma maneira de ficar menos rica.
Uma pessoa como eu, viciada em livros, não poderia ter descoberto o que eu descobri.
Um site que reúne vários sebos pelo país, criando uma rede de entrega e distribuição muitíssimo eficiente. E o melhor de tudo, por preços bem baratinhos! :D


O problema é que por me iludir que tudo vai sair barato, acabo querendo pedir milhões de livros. Por enquanto, foram só dois. Chegaram super conservados, quase novos. \o/
O único problema é o atraso dos correios. ¬¬
Por isso vim aqui espalhar meu novo vício: Estante Virtual.
Uso e recomendo. ;)

terça-feira, 3 de junho de 2008

Here comes the sun

Ele deu as caras. Hoje o sol resolveu brilhar. Mandando embora a friagem que se instalou nos últimos quatro dias.
Brilhou forte, poderoso e principalmente, quente.
Ainda bem! O frio da cidade começava a tomar de conta do meu espírito.
Que venha o sol.
_o/

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Dualidade

Duas vivem em mim. Eu não acho, eu sei.
Duas pessoas convivem dentro dessa cabeça e mais dia, menos dia, elas vão me enlouquecer. Ou nos enlouquecer, quem sabe?
Elas possuem nomes, mas esqueçam, não vou revelá-los.
Cometi a besteira de contar a um amigo e ele riu. (Nota mental: nunca mais compartilhar pensamentos obscuros e bizarros com os outros)
Uma é meiga e temerosa. A outra é ousada e chega a pender até um pouco para o lado do mau.
E quando as duas insistem em repartir meu coração.. ô confusão.
Uma insiste em se prender a um passado que não existe mais. E sofre por ele.
A outra já vive um presente muito mais feliz e promissor. Elas precisam entrar num acordo.
E logo.
Pois o coitado não pode viver duas situações ao mesmo tempo.
Eu consigo mudar de humor e de espírito em dois segundos, e logo perguntar: como eu posso estar me sentindo assim se não faz nem 5 minutos que me sentia totalmente assado! oO
Quando digo que preciso de ajuda profissional meus amigos riem, e eu rio junto com eles.
Rir pra não chorar, é o que diz o ditado, não?

É insano..
Não, não.. na verdade, eu que sou.

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Mais sabedoria

"Homens são como um bom vinho. Todos começam como uvas, e é dever da mulher pisoteá-los e mantê-los no escuro até que amadureçam e se tornem uma boa companhia pro jantar"

Será que a informação procede? ;)

quarta-feira, 21 de maio de 2008

Tirinha


Infelizmente a situação realmente acontece comigo: falta de memória, tanto no pc como na caixola! Nadaver

segunda-feira, 19 de maio de 2008

Pérola

Sabedoria popular que você escuta em certos sarais universitários:

Pecado não é dar..
Pecado é distribuir por aí!

Menina sábia, essa.

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Emprestado

Não fui eu que escrevi, mas quando li me identifiquei imediatamente.


"Boa noite. Chegue perto. Demorou hoje! Cheguei a pensar que não viesse. Mas já que está aqui, vamos conversar. Fiquei quase feliz por algum momento. Porque hoje o dia foi bom. Saí por aí, encontrei amigos, me diverti com eles. Não é sempre que isso acontece, você sabe. Ouvi palavras gentis, pratiquei a gentileza. Dei risadas. Confesso que dei risadas até quando só queria ser gentil. Não é falsidade, é cortesia.

Conheci pessoas novas, gente que imagino que possa estar comigo em bons momentos daqui pra frente. Ou que talvez eu cumprimente por educação quando ver por aí. Pessoas que talvez eu nunca mais verei na vida, mas que me lembrarei, pelo menos por um tempo, graças ao dia de hoje. Pessoas novas. Que fascínio nos causa o desconhecido! Às vezes parece que ele guarda tudo o que sempre procuramos. Amedronta-me o medo da decepção, mais ainda o receio de decepcionar.

Gosto de passar sempre uma boa impressão para as pessoas à minha volta. Às vezes me calo, mas o silêncio, se não ajuda, tampouco atrapalha. Gosto de transmitir paz. Até quando sinto o holocausto por dentro.

Fiz hoje o que não fazia há tempos, tive bons momentos de quase felicidade. Mas não esqueci de você. Talvez por alguns instantes. Mas você parecia estar sempre lá. Quem sabe um dia me abandone, não é? Ah, duvido muito. Sei que, de alguma forma, sempre estará do meu lado. Talvez mais distante, mas nunca fora do meu alcance. Já ouviu aquela piada do chinês? Aquela.. Nossa, sou péssimo contando piadas. Mas você precisava ver meu amigo contando. Quase abro um sorriso, quase liberto meu riso. Quase. Porque tentei, mas não consegui te esquecer.

Ei, espere! Não terminei! Sei que é tarde, mas ainda nem coloquei os fones no ouvido. Veja só o que eu tenho aqui. Los Hermanos: "Bloco do Eu Sozinho". Vou já ouvir. Pelo visto você não vai embora agora, né?

Mas, sabe..Eu poderia estar dormindo ou assistindo TV. No entanto, faço algo que gosto, você me inspira. Escrevo um texto, e isso me acalma, não me faz sentir inútil. E é graças a você. Tenho que lhe agradecer.

Estive pensando, e acho que talvez você seja responsável pelos melhores momentos de reflexão. E, sem estes momentos, nem sempre conseguimos enxergar as coisas da maneira como elas verdadeiramente são. Quando esta felicidade, que sinto às vezes, não for mais ilusão, aí lhe pedirei que me deixe de lado, ao menos por algum tempo. Mas, agora, só tenho a agradecer sua companhia.

Obrigado, tristeza.

Baseado na música "Bom dia, Tristeza", de Adoniran Barbosa e Vinicius de Moraes."

Thiago Fialho

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Desaparecida

Sumi. Escafedi-me.
Não tenho tempo pra escrever.
Na verdade tenho que usar o único tempo que tenho pra escrever.. a monografia.
Desafio quase impossível de ser realizado. Menos de 3 meses entre a escolha do tema e a data de entrega. Será que eu consigo?
Não quero ser pessimista, mas acho difícil. Porém, isso não quer dizer que não vou tentar.
Por isso, então, só esperem minha volta assim, em agosto.. beeeeeem lá longe.
E junto comigo, trago o resultado da odisséia.
Claro, que se der, eu volto e escrevo uma besteirinha ou outra por aqui.
Até porque ninguém é de ferro. Nem só de conhecimento acadêmico vive o homem. E a mulher.
Ah, e se não for pedir muito, incluam meu nome nas suas conversas noturnas com papai do céu. Só por via das dúvidas, pra garantir.
Toda ajuda é bem-vinda!

sexta-feira, 2 de maio de 2008

Preciso.

Uma borracha.

Para apagar aquilo que insiste em continuar em mim.

Uma mordaça.

Para calar as vozes que insistem em me enlouquecer.

domingo, 27 de abril de 2008

Barbatuques

Quem diria que o corpo podia produzir tantos sons? Descobri isso na noite passada assistindo ao show do grupo Barbatuques. A expectativa não era tanta mas tive uma surpresa mais que agradável com o show.
Com palmas, assovios, pulos, vozes, coreografias e o auxílio de alguns instrumentos eles conseguem fazer um espetáculo que prende pela sua originalidade e interação com o público. Sem perceber, você começa a batucar na coxa ou seu pé não consegue ficar parado, batendo no ritmo do número.
Com oito (ou foram nove?) integrantes no grupo, o barulho não cessa nunca. É engraçado, é musical, é divertido, é coisa de doido, pra falar a verdade. Você não sente a hora passando. E eu duvidei que eles conseguissem segurar uma hora de show com aquilo. E eles conseguiram!
O público se empolga nos momentos em que é convidado a participar. Quase a nossa arquibancada cai com tanta batida de pé junta. Você sai do show se perguntando se não seria capaz de fazer pelo menos um ou dois daqueles sons, profissionalmente. Já pensou, viajar pelo país fazendo aquelas macacadas?? =P
Quem ficou curioso pode conferir o espetáculo deles, hoje, na Usina de Arte João Donato, às 20 horas. A entrada custa R$ 5,00.

Metade


Que a força do medo que tenho não me impeça de ver o que anseio
Que a morte de tudo em que acredito não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito, a outra metade é silêncio.
Que a música que ouço ao longe seja linda ainda que tristeza
Que a mulher que amo seja pra sempre amada mesmo que distante
Porque metade de mim é partida, a outra metade é saudade.
Que as palavras que falo não sejam ouvidas como prece nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas
Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos
Porque metade de mim é o que ouço, a outra metade é o que calo.
Que a minha vontade de ir embora se transforme na calma e paz que mereço
Que a tensão que me corrói por dentro seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que penso, a outra metade um vulcão.
Que o medo da solidão se afaste
E o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável
Que o espelho reflita meu rosto num doce sorriso que me lembro ter dado na infância
Porque metade de mim é a lembrança do que fui, a outra metade não sei.
Que não seja preciso mais do que uma simples alegria pra me fazer aquietar o espírito
E que o seu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo, a outra metade é cansaço.
Que a arte me aponte uma resposta mesmo que ela mesma não saiba
E que ninguém a tente complicar, pois é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é platéia a outra metade é canção.
Que a minha loucura seja perdoada porque metade de mim é amor
e a outra metade também.


Oswaldo Montenegro

domingo, 20 de abril de 2008

Morte em Vida

Morri!
Ainda em vida
Foi quase estranho
Algo distraído
Ainda pesava quando parei
Vejo tudo tão distante, tudo tão perto
Do nada eu, um fantasma vivo
Brotei!
Direi em sonho e em memória
Morto sou matéria dela
Não tenho mais física, não tenho espírito, sou só memória
Para alguns ainda grito

João Veras

quarta-feira, 16 de abril de 2008

Putz

Era uma vez um vício: malhar.
Agora que ele não existe mais, é só esperar...


sexta-feira, 11 de abril de 2008

Uia

Quem diria que eu era a cara da Katie Holmes??? Se bem que a Hayden Panettiere parece mais, na minha humilde opinião. huhuhuhuhuhuhu
Quer uma igual? Clica na foto =P

quinta-feira, 10 de abril de 2008

E lá vamos nós outra vez...

- Você trabalha aqui?

O reflexo trouxe um rápido -não- pra ponta da minha língua. Logo em seguida tive que engolí-lo.
Meio hesitante, meio tímida respondi: Trabalho, mas hoje é meu primeiro dia.

Meio surreal falar essa frase menos de 6 meses depois de ter entrado na Agência. Quatro meses e nove dias de uma experiência maravilhosa que passei. Maravilhosa no total, que fique bem claro. Lá vi que não sou tão imprestável como pensava. Que pessoas realmente profissionais gostaram do meu texto. E que tirando certos traumas audio-visuais, eu posso até levar jeito pra coisa.
Olhando agora com os olhos da sabedoria (eu nem me acho a sábia :P), valeu a pena. Apesar dos momentos de pura tensão que protagonizei.
Mas foi bom. Muito bom. Conheci pessoas que vou lembrar pra sempre. Uma meio mãezona, sempre cuidando dos seus filhotes. Outra super moleca, com a simpatia transbordando no sorriso. Outro com uma timidez escondida entre as brincadeiras do nosso dia-a-dia. Vou sentir muita falta, sim.

Levando em cosideração o lado jornalístico, eu deveria era ter ficado lá. Descobrindo se existe mesmo uma comunicadora dentro de mim. Ultrapassando meus limites e vencendo meus medos. Mas a dúvida ainda é muito grande. E a segurança falou mais alto. E me fui. o/

Agora mais respeito quando forem falar comigo. Vocês estão se dirigindo à funcionária concursada do Conselho Regional de Medicina. Talvez lá eu possa chegar a continuar na área. Talvez não. Tudo depende de como vou me adaptar.
E lá vamos nós, meus amigos...

segunda-feira, 7 de abril de 2008

Dúvida

Só eu e minha irmã que achamos, ou minha escova realmente parece pertencer a um presidiário?

Update

A cada dia que passa eu me convenço mais que existe algo de sobrenatural acontecendo entre minhas sandálias. Nova vítima. Data da destruição: 04/04/08

terça-feira, 1 de abril de 2008

Banho de sal grosso.. no pé.

Já foram tantas que nem me lembro mais da primeira vez. Se não me engano já estou chegando na contagem de 7. Só uma pergunta me vem à cabeça. O que diabos essas malditas sandálias tem contra mim???
Sério cara, to começando a achar que talvez eu tenha algum problema anatômico no pé. Por que não existe explicação plausível pra tanta sandália boa, relativamente nova, quebrar no meu pé. Insistentemente.
Hoje a felizarda foi um presente de aniversário desse ano. Me fez andar no centro da cidade com um pé calçado, e outro não. Imaginem a cena!
Só não me revoltei mais porque não foi meu primeiro passeio semi-descalça pela rua. E descobri isso: elas adoram quebrar no meu trabalho. Cretinas.
O truque é: desfilar na rua, segurar a danadinha quebrada na mão com orgulho e nem ligar pros olhares curiosos. Ninguém tem nada a ver com isso mesmo. ¬¬
Teve a preta; a marron de salto anabela, que foi gentilmente consertada pelo meu ex-chefe; teve a rosa, tadinha da tirinha que descolou; a marron clarinha, presente do traste; a marron de salto anabela (é, ela insistiu em quebrar de novo); a rosa de salto alto (acho que as rosas possuem um certo problema com descolamentos), e agora minha única sandália de ir trabalhar.
Talvez esteja na hora de renovar meu armário de calçados. E antes de qualquer coisa, dar um belo banho de sal grosso nos meus pés.

E mais uma vez..

.. eu chorei.



Não de saudade, muito menos por alguém. Mas de frustação, raiva, medo, pânico. Não entendo porque isso acontece. Mais uma crise: será que eu nasci pra fazer isso? Cheguei a conclusão que meu medo é de errar. Prefiro deixar de fazer algo do que arriscar, quando vejo que tenho grandes chances de cometer qualquer errinho.
E com isso só vou me prejudicando. Mas como enfrentar algo que às vezes parece maior que você? Eu travo. Suo frio. E juro que se ficar bem quietinha consigo escutar uma voz lá dentro gritando "Nããão, tu não vai conseguir! Sai daí antes de fazer papel de boba."
E todo esse drama por causa de uma câmera e um microfone, detalhe que nem na câmera eu apareceria.
São problemas mal-resolvidos da minha infância. Quase certeza. Eu preciso de ajuda. Profissional.
Antes que eu faça uma merda maior ainda e desista de uma vez por todas.

sábado, 29 de março de 2008

quinta-feira, 27 de março de 2008

primeiro encontro

Eu quase tinha me esquecido da sensação de primeiro encontro. É algo bem emocionante pra falar a verdade.
Sair com alguém pela primeira vez sem ter idéia do que vai acontecer ao longo da noite. Ter aquela sensação de agonia no estomâgo por não saber o que falar, se vai agradar, se ele não vai te achar uma total idiota.
"Será que é agora que ele vai me beijar? Será que ele quer me beijar? Meu Deus, será que tem alguma no meu dente pra ele não querer me beijar? Mas será que EU quero beijar ele?"
Questionamentos que passam voando pela mente mas que servem pra te aterrorizar durante frações de segundos. Mas sabe o mais legal? É ver que depois que passa o nervoso o negócio tá até engrenando. Você parece ter falado uma ou duas coisas interessantes e, por mais incrível que pareça, ele pode estar gostando da tua companhia.
Tem coisa mais gratificante que essa???

Ah, e deitar pensando na noite que passou é simplesmente inevitável.

quinta-feira, 20 de março de 2008

quem sou eu

Um sopro. Suave e incerto.

Esperando aquilo que me transformará numa tempestade. Forte e bela.

A espera, às vezes, parece eterna.

Mesmo sem motivo ou esperança ainda admiro as estrelas na calada da noite. Elas me lembram de um passado feliz.

domingo, 16 de março de 2008

"A senhora é louca?"

Não sei bem como começar o causo.
Diana. Uma acreana, em São Paulo de férias. Muitas compras, passeios, museus, parques.
Estava ela em um de seus passeios nas ruas da big city, no celular, provavelmente conversando com alguém daqui.
Um rapaz se aproxima, e calmamente chama sua atenção. Ela pede pra ele esperar, pois estava na sua ligação. Quando ela finalmente se vira e vai falar com o rapaz a primeira coisa que escuta: - Passa o celular.
- O que?
- Olha, passa o celular, bem calminho, não precisa de pânico, só me passar o celular que ninguém vai se machucar. Olha minha arma aqui na cintura, se a senhora fizer o que eu tô mandando não vai ter problema nenhum.
Surpresa. Choque. Pânico. Medo.
Depois de um segundo de hesitação ela responde:
- Olha moço, foi Deus que te colocou na minha vida. Eu sempre quis me matar. Mas nunca tive coragem.. atira em mim???
- O QUÊÊÊ?????
- É, eu quero me matar mas não tenho coragem de me jogar debaixo de um carro, ou fazer qualquer coisa.. atira em mim, por favor..
- Minha senhora, a senhora é louca? Me dê seu celular que eu vou embora..
- Nãããoo.. não vai embora não, por favor, me mata! Atira em mim.. mas atira na testa, pra não doer, por favor?
- A senhora é louca?? Só pode ser.. (recuando como se a mulher tivesse alguma doença contagiosa). A senhora É LOUCA!
Resultado: o rapaz assustado, fugiu sem o celular. E ela não teve prejuízo. Ganhou uma tremedeira, mas nada além disso.

Moral da história: Quando for assaltar alguém na rua, escolha com cuidado, a pessoa pode ser mais louca que você..

História real. Acreditem ou não, a personagem é a mãe desta blogueira. oO

quinta-feira, 13 de março de 2008

Cliping

Sempre comento com as pessoas que sou estagiária da Agência de Notícias do Acre, e como os jornais da cidade de vez em SEMPRE pegam nossas matérias e publicam, uma vez ou outra meu nome sai, ou melhor, saía. Dai sempre falam: Ahhhhh aposto que você recortou a primeira matéria sua que saiu assinada (sempre com aquela cara de espertalhão)..

E eu sempre tenho que responder.. "não, pior que não, acredita?" (com aquela de mané, pensando "putz, mas porque foi mesmo que eu não fiz isso??? sua babaca!")

Por isso resolvi fazer um cliping aqui mesmo com as minhas matérias que saírem na Agência. A partir de agora elas não serão assinadas por motivos turvos de legislação do estágio em jornalismo, mas enfim, vocês, meus fiéis leitores, saberão que são minhas e se rejubilarão com a leitura de tais preciosidades!! :D

Essas aí estão em ordem da mais atual pras mais antigas. Tentarei atualizar frequentemente a lista. Enjoy..

Encontro reune secretários de Segurança em Rio Branco

Segundo dia da Semana do Consumidor discute impactos no meio ambiente

Prorrogado prazo para a troca de carteiras no Sindcol

Em pouco mais de um ano, Sine preenche 4,6 mil vagas de empregos no Acre

“Apitaço” pelos direitos da mulher

CD “Inundação” de Kelen Mendes é lançado na Maloca da Nega

Rio Branco e Botafogo se enfrentam nesta quarta-feira

Copa Mulher Futebol de Areia

Provinha Brasil avalia alunos que iniciam o ensino fundamental

Abertas as inscrições para fiscais do concurso da Ufac

Redução de casos de malária no Acre é destaque em imprensa nacional

Bancos mudam o horário de expediente nesta segunda-feira

Celulares podem ser proibidos em escolas públicas

Geração de renda na Folia da Arena

Vista a Fantasia da Solidariedade

Casamento Civil no Brasil comemora 118 anos nesta quinta-feira

Serviço de vacinação no Aeroporto de Rio Branco volta a funcionar

Abastecimento de água na cidade deve normalizar até terça-feira

Restrições para propagandas em TV e rádio aprovadas na Câmara

I Prêmio Garibaldi Brasil de Literatura Acreana

E se você quer saber o que se passa no nosso estado, o que tá esperando pra acessar a Agência de Notícias do Acre???

(Jabá puro e na cara de pau) \o/

quarta-feira, 12 de março de 2008

Flowers

Nunca fui uma menina que sonhasse em ganhar flores. A única época em que lembrava disso era no dia dos namorados, no ensino médio. Colegas suspirando pelas cantos do Colégio Meta com seus buquês enormes. Mas mesmo assim nunca as invejei. Achava bonito e me perguntava como devia ser. Só.
Particularmente eu não tenho nada contra flores. Sua beleza é inegável. Seu perfume irresistível. Fora todo o marketing que é feito pra nos convencer que um buquê equivale a uma verdadeira declaração de amor.
Mas sejamos racionais.
São flores. Não servem pra nada. Só enfeitam. E morrem em poucos dias.
Não possuem nenhuma utilidade prática. E ainda são caras pra porra! Fala sério.
Se homem eu fosse, teria uma conversa bem séria com minha amada, "Querida, movo mundos e fundos por você, mas não me peça flores. Que tal um livro? Uma roupa? Um vale-CD??"




Ah sim, quase esqueço-me. Hoje ganhei flores. De quem? Mistéééério.





sábado, 8 de março de 2008

Paulete

És tão bela que me encanta. Branca, pura, doce e singela.
Me lembra de uma época em que eu era tão pura ou mais.
Quando meu coração ainda não conhecia a palavra 'decepção'.
Determinada, e acima de tudo inteligente.
Futura doutora. Lhe cai muito bem a habilidade de curar alguém.
Forte, apesar da frágil aparência.
Amiga das que enxugam suas lágrimas e te fazem sentir compreendida.
Mesmo sem dizer uma palavra.
Compreensiva. E paciente. Menos no trânsito.
Uma das pessoas mais românticas que conheço.
Talvez por isso viva apaixonada. Mesmo quando não correspondida.
Sortudo daquele que reconhecer em seus olhos castanhos cor-de-mel o mundo de possibilidades que ela pode oferecer.
És minha amiga.. és Paula.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Risadinha

O cara chega no gago, e pergunta:
Hein gago, tu gosta de fofoca?
O gago nem pensa e já responde:
Não, prefiro pin-pingüim.


Sim, eu amo piadas sem graça! :D

domingo, 24 de fevereiro de 2008

será que você ainda pensa em mim?

Eu prometi que ia ser forte. E considerando as circunstancias até acho que estou sendo. Mas isso não afasta a saudade que insiste em me rondar. Aquela saudade agridoce, que dói, mas ao mesmo tempo te faz sorrir por lembrar momentos que fizeram tua alma feliz. Os ecos da tua risada boba na minha cabeça não me deixam te esquecer.
Malditas músicas que me lembram de nós. De ti. Se apagar nossas fotos te apagasse de mim, muito fácil seria. Mas não é bem assim que acontece.
Não é tão fácil fingir que a vida continua e que nada aconteceu. Te ver ali e não falar. É muito difícil não te procurar. Não ter aquele contato que me confortava. Como eu queria que o tempo passasse, você voltasse e tudo ficasse como antes. Mas eu sei que não vai ser assim.. muita coisa muda em seis meses, ou um ano. Talvez nesse segundo mesmo eu não signifique mais nada pra você.
E se escrevo isso tudo entre lágrimas é porque hoje escolhi não ser forte. Hoje a minha impotência diante do destino tá doendo demais. Escolhi sentir essa saudade e desejar, pelo menos por uma noite, que você estivesse aqui do meu lado.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Nos braços de Morfeu

Meu santuário, meu refúgio. Minha cama.
Meu lugar preferido, onde sempre quero estar.
Onde posso esquecer. Onde posso não ser. Onde posso sonhar.
Onde tudo é permitido e a ilusão chega a doer de tão real.
Onde posso viver o impossível. Criar situações. Conhecer pessoas.
Ir aonde não vou. Ver o que não há.
Uma pausa de ser quem sou. Um tempo pra descansar.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Eu quero ficar só. Mas comigo só eu não consigo.

Carência é uma coisa complicada. Você pode nem saber de quem precisa, só sabe que precisa de alguém. Alguém pra te abraçar e garantir que tudo vai ficar bem. Alguém pra te ligar no fim da noite e perguntar como foi seu dia. Alguém pra te apoiar nas merdas e pra comemorar as vitórias. Pra ser a primeira coisa em que você pensa quando acorda e a última quando vai dormir..
Quando você não tem ninguém que seja esse alguém, aí o bicho pega. Se existe um candidato você se antecipa e imagina todas as situações possíveis e imaginaveis. E isso, de certa forma, te conforta. E quando não tem ninguém?
Eu sou carente. Extremamente. Preciso de alguém do meu lado. Só que atualmente ter alguém do meu lado nem é uma opção. Nem sei se quero procurar alguém. Não consigo me imaginar mais com alguém. Faz sentido?
Só queria mesmo que passasse a sensação de vazio. Que meu pequeno músculo involuntário não se enchesse de invenjinha branca quando vê um casal apaixonado e feliz. Estar satisfeita em estar sozinha.. é pedir demais?

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

das coisas que só acontecem comigo-parte II

Até hoje, pra mim a palavra "prego" tinha só um significado. Aquele objetim pontiago e tal que não vive sem o martelo. Pois é. Mas nessa sexta passada eu descobri na prática um segundo significado.


Aquela situação que um carro pára, do nada, no meio da rua e não tem nada, nem reza forte, que tire o bixo do lugar e faça ele ligar. Então, fiquei no prego! oO


Vislumbrem minha vilã:

Tudo bem, essa não é a foto literal da Penélope (o fusca que está em minhas mãos temporariamente) mas é uma cópia quase fiel! Essa cretininha deu piti em plena madrugada, duas horas da manhã, e logo aonde, só em frente da AABB, onde tava tendo o pagodão, cheio da galera "crassse A" da cidade. Mas pensando bem, ainda beeem que foi ali, perto da minha casa. Evitou maiores problemas. Enfim, pense numa bixinha que tava suandoooo pra empurrar aquela lata velha: eu.

Ainda bem que uns amigos nossos (anjos) tavam na jogatina na casa de um amigo meu, perto aqui de casa, e vieram nos salvar. No fim das contas tudo terminou bem, mas que pregou um susto pregou. =/

Agora traumatizei e a Pê tá aqui paradinha na garagem. Quem sabe quando o episódio estiver esquecido eu volte a dar umas voltinhas com ela e arrasar na cidade. Vocês não tem noção do sucesso que um fusca rosa faz por essas bandas, huehuehuehuehue. =D

domingo, 10 de fevereiro de 2008

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Quarta-feira de cinzas

E das cinzas renasce como uma fênix? Nããããããooo, piegas demais.
Mas o que importa é que estamos de volta. Tempo que não escrevia. Normal. Tava sem 'pensamentos felizes', por isso sumi.
Mas acho que eles estão de volta. Pelo menos os ruins se foram.

Carnaval? O meu foi bem, obrigado, e o seu? Muito beeem, aliás. Totalmente fora do planejado, mas rendeu boas risadas, principalmente a última noite.
Agora o ano finalmente começa e necessito começar a conjugar o verbo 'monografar', alguém tem alguma dica como começar? Um tema? Um rumo? Qualquer coisa? Alguém? Ninguém?? oO

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

todo fim pode ser um começo

E se foi..
Levando um pedacinho do meu coração. Mas um pedaço sem o qual eu vou saber viver.
Deixou saudades.. lembranças maravilhosas e a certeza de que viver o momento é o que importa!
Afinal não existe felicidade, e sim momentos felizes. E eu tive muitos deles nesse mês que passou.
Sei que não vai ser num piscar de olhos que vou esquecer o som da sua risada.. as cócegas que fez em mim, ou até mesmo o gosto do seu beijo. Mas com o tempo o cheiro não vai estar tão forte.. a distância vai apagar muito do que passou e tudo que restará é o sentimento que conheci alguém especial..
Agora é ir à luta e criar meus novos momentos. Com novas situações. E com novas pessoas, por que não?


Não existe começo nem fim, só existe mudança.

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

inevitável

Ah não.
Posso senti-la chegando. Ainda não é hora.
Vejo se aproximando e me procurando.
Me escondo. Finjo que não a vejo.
Não pode esperar mais um pouco antes de se instalar?
Porque essa pressa toda? Não é como se fosse pouco tempo ficar.
Quando olho para ela mais que dois segundos posso sentir seus braços em volta de mim.
E mais que ligeira me sacudo. Não. Não antes da hora.
Hora que não demora. Hora que já está bem aí.
Calma, dona Saudade.. logo terás lugar cativo no meu coração.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

das coisas que só acontecem comigo

Acabei de ser atropelada... por uma bicicleta!
Não faz nem meia hora. Estava eu, leve e saltitante, saindo do meu local de trabalho. Feliz, por ser sexta-feira e estar me dirigindo para casa, certo?
Vou atravessar a rua, que por sinal é mão única, dou o primeiro passo, tudo certo, quando estou no segundo só escuto um grito. Agudo, feminino. Lembro de ter pensado: hã? E ainda me certifiquei se não tava vindo nenhum carro. Não estava. E fui.

PÊI

Uma cidadã, vindo na contra-mão em cima de sua magrela, acertou em cheio essa quem vos fala. E lembro também de ter pensado, num átimo de segundo : caralho, essa porra tava rápida! Por que a pancada foi forte. Bota forte nisso. E caímos as duas no asfalto. Em pleno sol de 14h. Gosssstouso!
Além do cotovelo ralado, muita dor dos dois lados do corpo. O lado que pegou a pancada da bike e o que amorteceu minha leve queda.

E o pior de tudo que não é minha primeira vez. Não me perguntem quando.. mas também foi no centro da cidade. oO
Melhor começar a tomar cuidado extra ao atravessar a rua. Vai que tem um imã entre eu e bicicletas.

Também já fui vítima das motocas. Graças a Deus todos esses veículos desgovernados não fazem muito estrago. Só a diversão de mandar a Jéssica à nocaute é suficiente.

Só consigo pensar que deve ter sido uma cena bem hilária. ^^
huahuahuahuahuahuahuahuahua

quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

já sinto saudades do que éramos

O que foi que aconteceu? Nem eu mesmo sei o que começou isso?
Praticamente irmãs. Agora, o que somos, não sei. As intenções foram as melhores, eu entendo.
Mas algo quebrou. Algo dentro de mim não aceita ser rejeitada pelo que sou. Pelo que virei, que seja.

Não acho que tenha mudado tanto. Continuo sendo a boa ouvinte. Que escuta e fala quando é pedida conselhos. A palhaça, que mesmo sem ter cara de palhaça, fala as coisas mais absurdas que ninguém teria coragem de falar. Não deixei de ser aquela que é pau-pra-toda-obra. Que tenta agradar a todos, deixando de lado a vontade própria pelo bem geral da nação. A que odeia conflitos, brigas, discussões. Mas que dá uma boiada pra não sair de uma.

O que nem o tempo ou a distância foram capazes de afetar, o preconceito conseguiu arranhar. Nossa amizade. Pessoas são diferentes. Essa é a graça desse mundo. Já pensou se todo mundo pensasse e agisse igual? Se não foi capaz de entender, pelo menos aceitasse. Ninguém gosta de se sentir errado. Eu, muito menos. Nunca diga a um capricorniano que ele está errado, pode causar um abalo sísmico. E ironicamente, foi o que aconteceu. Eu estou me descobrindo. No caminho existem os acertos, mas também os erros. Não sou perfeita, só humana. Os amigos estão aí para nos aconselhar, e não julgar. E doeu ver que eu estava sendo julgada por quem conhecia minhas mais profundas dores e mesmo assim não conseguiu me entender.

Nós já conversamos depois da "intervenção".. já tentamos explicar, mas nada muda o fato que tudo mudou. Espero que o tempo conserte, como você mesma disse. Que apague as acusações.
Mas eu me conheço. Rancor é um dos meus piores defeitos. Não esqueço certas coisas. E não vou esquecer que, quando mais poderia precisar de apoio, tudo que ouvi foram recriminações.
Você não foi a única naquela sala, eu sei. Mas vai ser quem mais me fará falta.

dia bom

Você sabe que o dia vai ser bom quando percebe que tá cantando no chuveiro de manhã. E que continua cantando subindo a rua pra pegar o ônibus. E que apesar do dia ter sido inteeeeeenso no trabalho você ainda sai sorrindo quando se despede dos colegas.
Nada de extraordinário, um dia normal. Talvez a noite de ontem tenha contribuido, ou não.
Quando a gente se força a ser positiva as coisas realmente começam a parecer melhores..
Quero continuar assim. Tendo meus tropeços mas sabendo que, no fim, sempre me levanto!

2008. Eu sabia que tinha uma razão pra eu gostar de anos pares. ;)

"Bom mesmo é ter problema na cabeça, sorriso na boca e paz no coração." (Arnaldo Jabor)

E que venham meus 22 anos! \o/

domingo, 6 de janeiro de 2008

Pra começar o ano bem!



Para um dia que não saiu exatamente como o planejado uma surpresa da boa me aguardava essa noite. Descubro que uma das minhas leituras obrigatórias não só visita-me, ou seja, lê essas bagaças aqui, como me indicou pro prêmio 'blog de elite'.

Quem poderia imaginar (hora de dar aquela puxadinha de saco): Um dos meus escritores de blog preferido, até porque ele é o mais legal de todos, heh, lendo isso aqui, e pasmem, gostando!!! Só posso agradecer o Sandro pela honra e confessar que fiquei feliz demais com o prêmio. Sou besta assim.. meus ídolos me visitando é motivo de alegria, tá?! =P

To aqui pensando se vou lá deixar um super-hiper-mega scrap pra ele agradecendo. Muito stalker, será?! Só se eu fosse lá e olhasse todas as 22 (só 22, bixo??) comunidades dele e babasse as fotos da guria mais fofa que eu já vi, filhinha dele. Sério, mó gatinha ela! Melhor não né.. Seria entregar demais minha personalidade excêntrica e obssessiva. ^^

Agora que sei que gente de carne e osso passa por aqui vou tentar escrever coisa mais séria e de qualidade, não é mesmo minha gente?! Ou não... :D