domingo, 25 de janeiro de 2009

free at last

Poxa, nem acredito que levou 5 dias pra eu vir aqui fazer "o" desabafo, devo estar fora de forma. Cinco dias inteiros desde que eu finalmente me livrei de algo que tava me incomodando há exatos 8 meses!
Não que seja lá essas mudanças, mas agora posso realmente dizer que me formei. O diploma ainda não saiu nem nada, mas o principal, a pedra que tava no meu sapato chamada monografia, finalmente foi ultrapassado. Fiquei ansiando tanto com esse momento que agora que chegou parece mentira.
Treinei tanto no dia da apresentação que cheguei na universidade rouca. Minha banca não tava completa. Tava faltando luz na Ufac. O cenário do desespero tava armado. Mas graças aos céus e uma ajudinha do meu anjo da guarda, no final das contas, deu tudo certo: apresentei dentro do tempo estipulado, não teve nenhuma pergunta difícil de responder e pra fechar com chave de ouro, tirei 10. Apesar de não saber bem o que os professores tavam pensando, fiquei bastante feliz com a nota. Quem não gosta de tirar um 10, né mesmo, minha gente?

Agora minha vida é outra. Sem stress, sem choros monográficos, sem dias passados lendo coisas chatas e altamente institucionais. Enfim livre!! Sinto-me como uma detenta que acabou de receber liberdade condicional.. sim, é condicional porque logo logo certamente terei que me meter numa outra roubada e começar a estudar tudo outra vez. Mas por enquanto vou curtindo essa liberdade tão aguardada.
Agora não me sinto tão mal vendo as fotos da colação, lembrando que pra mim, aquilo tudo era apenas uma encenação. Agora eu posso realmente me sentir uma formanda de jornalismo. Finalmente admirar (e colocar numa moldura bem bunitinha) o meu diploma.

Pra comemorar eu tinha me prometido experimentar um certo ritual acadêmico, bem peculiar dos estudantes da Ufac, envolvendo entorpecentes, Maria Joana, esse tipo de coisa. Sabe, né? Pra relaxar depois de tanta pressão psicológica. To vendo ainda se vou cumprir.. Quando fiz o vestibular, prometi que se passasse, pintava a cabeleira de vermelho. Assim o fiz.
Devo começar a quebrar promessas logo agora???

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

2008

Caramba, o painel do blogspot me avisa que já chegamos a 100 postagens. Muita emoção nesse momento lindo. \o/ \o/ \o/ \o/

(pausa para limpar discretamente as lágrimas)

Bom, Natal chegou, muitos presentinhos legais foram ganhos, Natal foi embora. Muitas calorias ingeridas, muita festinha em família. Reveion veio e se foi.. E agora 2009 tá aí, se instalando por 365 dias (ou seriam 366? nunca sei quando é ano bissexto.. pensando bem acho que só ano "par" é bissexto né? Socorro Ensino Médio!).. Muitos blogs e sites fazendo retrospectivas de 2008, contando as coisas boas e as ruins. Lembro que fiz algo parecido ano passado. Então, mãos à obra:

Nesse ano que passou tive muita dor de cabeça, chorei demais. Por inúmeros motivos. O ano começou lúdico, com cara de conto-de-fada. E como todo conto-de-fada, era tudo de faz-de-conta, nunca foi real... mas a burrica aqui se recusava a entender. Pra completar, briguei com algumas amigas, lembra?

Pois bem.. quase meio do ano, faculdade, correria, descobrimos que teríamos menos de 4 meses pra escolher um tema de monografia e apresentar a bendita.. ahhh, que se dane, é maldita mesmo! Tema escolhido, orientadora também.. só que a Jéssica não sabia bem como fazer, não sabia bem como escrever, não sabia bem como controlar os nervos, engular o choro, e fazer algo de concreto. O que aconteceu? Ela não conseguiu dar conta do recado e perdeu o prazo ... a maioria dos seus colegas colou grau, se formou, e ela ficou lá, chupando dedo. E como ela chorou por causa dessa porcaria. Maior trauma, rum!

E enquanto tudo isso acontecia, tinha alguém do lado dela, alguém maravilhoso diga-se de passagem. Mas por conta dos resquícios do conto-de-fadas, ela não conseguia aproveitar completamente o presente que Deus tinha dado pra ela. E demorou pra ela abrir os olhos.. demorou mais ou menos uns três meses e quatro términos, pra ela se dar conta de que não importava o quanto ela tentasse "consertar", o quanto ela estragasse as coisas, ele não sairia do lado dela, "- nunca que eu vou largar desse ossão", palavras dele.. kkkkkkkkkkk

E assim, meu fim de ano se revelou. Meu olhos foram abertos, meu coração finalmente escolheu um lado, minha angústia constante foi passando, passando, até que eu me perguntei onde ela tinha se metido. E pra completar esse desfecho, lembra do bicho-papão, mais conhecido como monografia? Troquei de orientador.. pra falar a verdade não adiantou muita coisa. Mas coloquei na cabeça que iria terminar isso de uma vez por toda, não queria ficar mais presa, com essa nuvem negra pairando sobre a cabeça. E não é que o negócio engrenou? Final das contas... monografia terminada, faltando só a apresentação. Que convenhamos, é quase outra dor de cabeça separada!!! =/

Por isso, no saldo total, acredito que 2008 foi um ano de aprendizado. Não tão traumático como 2007, huehuehueheuhue. Pois tudo fica bem quando termina bem. E ele terminou muuuuuuuuito bem. Graças a Deus, né?