domingo, 30 de maio de 2010

O silêncio machuca quem o guarda.

Minhas crises de carência tem sido feitas em silêncio, ultimamente. Fiz um pacto comigo mesma. Quem dera alguém ter me avisado como é difícil o processo. Falto sufocar. Engasgo com palavras, pedidos, súplicas, mas guardo-os para mim. Cansei de ser aquela que chora, suplica e necessita. Seria bom ser o seu vício, pra variar.

A pior dor é aquela em que não podemos nem mesmo dizer um "ai". Soltar o grito que alivia, nem que seja por um mísero segundo, nossa agonia.

Um comentário:

André Rafael disse...

Ultimamente tenho sentido angustiante dor dessas que não dá pra gritar e, mesmo que desse, não adiantaria...