quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

solitáte

Não importa quanto tempo transcorra. A saudade não cria raízes. Não minimiza seus efeitos. Continua um corpo estranho que meu organismo insiste em expurgar. Recusa sua presença. Tenta de todas as maneiras eliminá-la. E morre de angústia quando não consegue, sabendo que o único remédio é a sua presença.

Nenhum comentário: